www.asyabahis.org dumanbet.live pinbahiscasino.com www.sekabet.net www.olabahisgir.com www.maltcasino.net faffbet-giris.com www.asyabahisgo1.com www.dumanbetyenigiris.com pinbahisgo1.com sekabet-giris2.com www.olabahisgo.com www.maltcasino-giris.com faffbet.net betforward1.org betforward.mobi 1xbet-adres.com 1xbet4iran.com romabet1.com www.yasbet2.net 1xirani.com www.romabet.top 3btforward1.com 1xbet 1xbet-farsi4.com سایت شرط بندی معتبر
20.4 C
Rondonópolis
domingo, julho 21, 2024

Buy now

Veja o cenário e os desafios que o próximo presidente vai enfrentar

Campanha acontece em meio ao aumento da pobreza e à turbulência da inflação alta. Candidatos têm enfatizado propostas de benefícios para famílias carentes e de reforma na área tributária.

A corrida eleitoral deste ano à Presidência da República acontece após dois anos de pandemia da Covid e em meio à guerra na Ucrânia, fatores que contribuíram para a disparada da inflação.

O pleito eleitoral também ocorre em meio ao aumento da pobreza e da taxa de inadimplência.

Em 13,75% ao ano, os juros básicos da economia estão no maior patamar em seis anos – mas economistas esperam uma pequena redução em 2023 (para 11% ao ano).

Após crescer 4,6% em 2021, a economia brasileira, em linha com o que acontece no resto do mundo, está desacelerando neste ano. A previsão de analistas é de que o ritmo mais lento se repita em 2023.

Os candidatos também se deparam com um cenário de queda da renda da população, embora a taxa de desemprego também tenha recuado nos últimos meses.

Meses antes das eleições, o governo federal elevou as transferências sociais para os mais pobres, por meio do pagamento de auxílio, e incluiu categorias como taxistas e caminhoneiros entre as beneficiadas.

Entretanto, despesas com saúde e educação recuaram nos últimos anos diante da vigência da regra do teto de gastos (que limita os dispêndios à inflação do ano anterior).

Diante do atual cenário, economistas apontam que os principais desafios para a próxima gestão na economia, independente de quem ganhe o pleito eleitoral neste ano, são questões relacionadas com os gastos públicos e com o sistema tributário (como arrecadar).

Em 2022, 12 candidatos se registraram no Tribunal Superior Eleitoral para a corrida eleitoral para presidente. As visões dos quatro candidatos mais bem posicionados nas pesquisas foram citadas.

Inflação e contas públicas

No regime de metas de inflação, vigente no Brasil, o Banco Central é responsável por fixar os juros básicos da economia para controlar os preços.

Após disparar em 2021 e 2022, analistas estimam uma pressão menor sobre os preços em 2023, primeiro ano da nova gestão. Essa desaceleração tem a ver com a alta dos juros e com o “resfriamento” da economia mundial.

O presidente da instituição, Roberto Campos Neto, também tem chamado a atenção para a necessidade de se discutir como atender à população mais pobre sem gerar descontrole nos gastos, ou seja, evitando um impacto ainda maior na dívida pública.

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro, Campos Neto tem mandato fixo até o fim de 2024. Ele já informou que não pretende ser reconduzido ao cargo.

O chefe da autoridade monetária citou o aumento de gastos, em ano eleitoral, e a incerteza sobre o que acontecerá no próximo ano, o primeiro de um novo mandato, como fator negativo para a credibilidade das contas públicas.

O BC tem avaliado que o prolongamento de políticas de alta de gastos públicos, como a PEC Kamikaze – que driblou a lei e turbinou benefícios sociais como o Auxílio Brasil –, “pode elevar os prêmios de risco do país” (resultando em juros mais altos para a população) e gerar pressão inflacionária.

Teto de gastos

Diante da necessidade de aumentar gastos para amparar os mais pobres, começaram as discussões sobre o que fazer com o teto de gastos — mecanismo que limita o crescimento da maior parte das despesas à inflação do ano anterior.

As consultorias de Orçamento da Câmara dos Deputados e do Senado avaliam que, se nada for feito, a regra atual do teto de gastos tende a levar a uma “inviabilidade administrativa e política” nos próximos anos, afetando o mandato do futuro presidente da República.

Auxílio para população carente

As discussões sobre como auxiliar os mais pobres também se intensificaram durante o período eleitoral. Entre 2019 e 2021, 61 milhões de brasileiros que enfrentaram dificuldades para se alimentar. Com isso, o Brasil voltou ao Mapa da Fome das Nações Unidas.

Ao mesmo tempo, o número de pessoas com contas atrasadas voltou a bater recorde no Brasil, segundo a Serasa Experian.

Reajuste para servidores e reforma administrativa

Ao mesmo tempo em que se discute o aumento das transferências sociais, analistas avaliam que é preciso racionalizar outros gastos para impedir um crescimento acentuado da dívida — o que pressionaria a inflação e os juros.

E as despesas com servidores, as terceiras maiores do orçamento (atrás dos juros da dívida e da Previdência Social), são um dos focos de debate. Em 2023, gastos com servidores estão estimados em R$ 350 bilhões, superando os orçamentos da saúde e educação juntos.

Estudo divulgado em 2020 pelo Instituto Millenium mostra que, no ano anterior, o Brasil era o sétimo país que mais gastava com servidores públicos. Essa despesa era o dobro dos gastos com educação e 3,5 vezes as despesas com saúde (3,9% do PIB).

Reforma tributária

A nova gestão também terá de enfrentar problemas históricos na área tributária – mais especificamente, na forma como se arrecada impostos no país.

parcela mais pobre da população, por exemplo, continua sendo penalizada, pois o peso dos tributos sobre o consumo é elevado no país. Em outros países, há uma incidência maior dos impostos sobre a renda e patrimônio, com uma contribuição maior dos mais ricos.

Na tributação sobre o consumo, considerada um grande entrave ao crescimento do país por especialistas, há 27 legislações do ICMS em vigor. Vários governos já tentaram emplacar mudanças nessa legislação, mas acabaram não conseguindo o apoio necessário no Congresso Nacional.

Ao mesmo tempo, a tributação sobre as empresas de maior porte é de cerca de 34% no Brasil, patamar elevado na comparação internacional – o que afeta sua competitividade no mercado global.

Para completar o cenário, cidadãos reclamam da falta de correção da tabela do IR. Tecnicamente, o Tesouro Nacional avalia que uma eventual correção beneficiaria a parcela mais rica da população.

  • Ciro Gomes propõe reduzir subsídios e incentivos fiscais em R$ 70 bilhões no primeiro ano de governo, recriar o imposto sobre lucros e dividendos, unir cinco impostos sobre o consumo em um único tributo e taxar grandes fortunas. Ele também indicou que deve elevar a faixa de isenção e criar uma alíquota do IRPF acima da máxima atual, que é de 27,5%.
  • Luiz Inácio Lula da Silva propõe uma reforma tributária, que simplifique tributos e em que os pobres paguem menos e os ricos paguem mais; fazer os muito ricos pagarem imposto de renda. Ele também propõe a ampliar a faixa de isenção da tabela do IR.
  • Jair Bolsonaro fala em isentar os trabalhadores que recebam até cinco salários mínimo do pagamento de Imposto de Renda. Em seu governo, ele propôs uma reforma tributária sobre o consumo, parada no Congresso Nacional, e a retomada da tributação sobre os lucros e dividendos (também aguardando decisão do Legislativo). O IPI e o imposto de importação foram reduzidos.
  • Simone Tebet propõe implementar uma reforma tributária em até seis meses, com a criação do IVA e de um fundo constitucional para compensar estados e municípios do Norte, Nordeste e Centro-Oeste, além da redução da contribuição previdenciária para a faixa de um salário mínimo para todos os trabalhadores, para estimular a formalização. Ela não cita mudanças na tabela na proposta de governo entregue ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

FONTE: G1

Artigos relacionados

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias