www.asyabahis.org dumanbet.live pinbahiscasino.com www.sekabet.net www.olabahisgir.com www.maltcasino.net faffbet-giris.com www.asyabahisgo1.com www.dumanbetyenigiris.com pinbahisgo1.com sekabet-giris2.com www.olabahisgo.com www.maltcasino-giris.com faffbet.net betforward1.org betforward.mobi 1xbet-adres.com 1xbet4iran.com romabet1.com www.yasbet2.net 1xirani.com www.romabet.top 3btforward1.com 1xbet 1xbet-farsi4.com سایت شرط بندی معتبر
29.5 C
Rondonópolis
sábado, julho 13, 2024

Buy now

França: aliança de esquerda lidera, mas sem maioria absoluta

A coligação de esquerda Nova Frente Popular (NFP) venceria as eleições legislativas na França sem maioria absoluta, após uma disputa acirrada com a aliança do presidente Emmanuel Macron e a direita pelo segundo lugar, segundo as primeiras projeções. A NFP obteria entre 172 e 215 dos 577 assentos da Assembleia Nacional (câmara baixa), seguida pela aliança governista com 150 a 180, e o partido de extrema direita Reagrupamento Nacional (RN) e seus aliados com 115 a 155, de acordo com quatro projeções diferentes. Os resultados representam um revés para a líder de extrema direita Marine Le Pen, que falha em seu objetivo de alcançar a maioria absoluta, que as projeções consideravam possível há uma semana, e até mesmo em vencer, como parecia viável dois dias atrás.

Os acordos tácitos entre o governo e a coalizão de esquerda, concentrando o voto no candidato com mais chances de derrotar o RN em cada circunscrição, frustraram as estimativas. Um governo do RN, com o jovem Jordan Bardella à frente, seria o primeiro de extrema direita na França desde a libertação da Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial e um dos poucos na União Europeia. Artistas, atletas, sindicatos e organizações mobilizaram-se para impedir a chegada ao poder da extrema direita, como o astro do futebol Kylian Mbappé, que havia convocado para votar “do lado certo” nestas eleições tensas.

Diante de possíveis tumultos, as autoridades anunciaram o desdobramento de 30.000 policiais e gendarmes na noite deste domingo (7), 5.000 deles em Paris. Mas os resultados também representam um golpe para o presidente de 46 anos, que perde a maioria simples que detinha desde 2022 e terá que compartilhar o poder com um governo que não controlará. O segundo mandato de Macron termina em 2027.

Cenários
Mostrando a importância destas eleições, a taxa de participação (59,71% às 17h locais) foi a mais alta desde 1981, e até o ex-presidente socialista François Hollande voltou à política como candidato a deputado. Macron antecipou as legislativas previstas para 2027 para pedir um “esclarecimento” político aos franceses, após a vitória do RN nas eleições europeias de 9 de junho, uma decisão “arriscada”, segundo analistas. A resposta dos eleitores foi reorganizar os três blocos surgidos das eleições de 2022 – esquerda, centro-direita e extrema direita -, com uma nova relação de forças e sem maiorias absolutas. A menos de três semanas do início dos Jogos Olímpicos de Paris, a incerteza paira sobre a composição do próximo governo. O primeiro-ministro, Gabriel Attal, já indicou durante a campanha que seguirá “pelo tempo necessário”.

Várias hipóteses emergem: uma improvável coalizão entre parte da esquerda e o governo, ou até mesmo um governo tecnocrata com apoio parlamentar na segunda maior economia da UE. No entanto, uma coalizão eventual parece difícil devido às críticas mútuas entre o partido A França Insubmissa (LFI, esquerda radical), um importante parceiro da NFP, e o governo. Macron chegou a descrever este partido como “antiparlamentar” e “antissemita”. Uma alternativa ao LFI poderia ser integrar nesta coalizão os deputados de direita de Os Republicanos (LR) que não firmaram acordo com o RN. Seus possíveis 57 a 67 assentos poderiam ser cruciais para uma aliança parlamentar sem a esquerda radical.

O presidente francês se reuniu com o primeiro-ministro e seus aliados durante a tarde, antes de os primeiros resultados serem conhecidos, informaram fontes de sua aliança. Um discurso está descartado neste momento. Os primeiros acordos poderiam ser feitos a partir de 18 de julho, quando os novos deputados devem escolher a presidência da Assembleia Nacional e os principais cargos da câmara baixa. Tanto aliados quanto rivais da França no cenário internacional acompanharam de perto estas eleições, especialmente no momento em que Paris, uma potência nuclear, é um dos motores da UE e um dos principais apoios da Ucrânia na guerra contra a Rússia.

Publicado por Carolina Ferreira

*Com informações da AFP

Artigos relacionados

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias