www.asyabahis.org dumanbet.live pinbahiscasino.com www.sekabet.net www.olabahisgir.com www.maltcasino.net faffbet-giris.com www.asyabahisgo1.com www.dumanbetyenigiris.com pinbahisgo1.com sekabet-giris2.com www.olabahisgo.com www.maltcasino-giris.com faffbet.net betforward1.org betforward.mobi 1xbet-adres.com 1xbet4iran.com romabet1.com www.yasbet2.net 1xirani.com www.romabet.top 3btforward1.com 1xbet 1xbet-farsi4.com سایت شرط بندی معتبر
20.4 C
Rondonópolis
domingo, julho 21, 2024

Buy now

Polícia Federal de Mato Grosso faz operação para investigar comércio de diamantes; cinco mandados

A Polícia Federal de Cáceres deflagrou, ontem, a Operação Via Adamas que visa combater a comercialização de diamantes extraídos ilegalmente no estado de Rondônia enviados ao estado de São Paulo. Foram cumpridos cinco mandados de buscas e apreensões expedidos pela 2ª Vara Federal Cível e Criminal de Cáceres, nas cidades de Cacoal (RO), Tupaciguara (MG), Ituiutaba (MG), Patos de Minas (MG), Sorocaba (SP).

As investigações tiveram início com flagrante realizado pela Polícia Rodoviária Federal na cidade Pontes e Lacerda em agosto de 2021. Na ocasião um casal foi preso com 23 pedras de diamantes compradas em Cacoal (RO). Esse mesmo investigado foi novamente preso em outubro do ano passado com uma carga de alexandrita avaliada em mais de 128 milhões de reais em Juiz de Fora (MG).

As investigações, segundo a PF, mostraram que o esquema era comandado por uma associação criminosa atuante no estado de Minas Gerais que intermediava a compra e venda de pedras preciosas extraídas no norte do país, atravessando pelo estado de Mato Grosso com destino à região sudeste.

Durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão na residência do investigado suspeito de ser o destinatário dos diamantes ilegalmente comercializado, foi realizada uma prisão em flagrante. Foram encontrados documentos de identidade e carteira de couro com o brasão da República Federativa do Brasil em nome do investigado com os dizeres “ordem do mérito cívico e cultural – comendador”. Dessa forma foi caracterizado o crime de falsificar ou fazer uso indevido de sinal identificador de entidade da Administração Pública, com pena de reclusão de dois a seis anos e multa.

Durante as buscas em Tupaciguara (MG), foram encontradas 12 pedras na cor verde que passarão por perícia para verificar se realmente se trata de pedras preciosas.

Redação Só Notícias

Artigos relacionados

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias