22.2 C
Rondonópolis
quinta-feira, maio 23, 2024

Buy now

Presidente do Instituto Mato-grossense da Carne diz na COP27 que ‘pecuária sustentável é produzir para todos para sempre’

O presidente do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac), Caio Penido, declarou, no Egito, durante painel “Pecuária Sustentável”, no espaço Brasil da 27ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 27) que  “de um modo global, pecuária sustentável é produzir com respeito ambiental, social e gerando lucro. É produzir carne para todos, para sempre. No Brasil é seguir a lei e intensificar. Não existe carne mais sustentável no mundo que a brasileira. Nós queremos justiça climática e comércio justo”.

“Sempre nos deparamos com muitas exigências, especialmente sobre desmatamento. E após inúmeras conversas nos questionamos: será que existe alguma outra carne disponível no mercado global mais sustentável no mercado que a brasileira? Que garante conservação por lei, que vem de um clima tropical e que garante menores emissões de GEE (gases do efeito estufa) que outros países, com gado majoritariamente criado a pasto e com rastreabilidade. Não tem uma carne mais sustentável no mundo. Então partimos para construir uma narrativa sobre isso, porque sustentabilidade também é comunicação”, declarou para líderes políticos, de ONGs, entidades e setor industrial.

Ele explicou que a missão do Imac é promover a carne de Mato Grosso para o mundo e tem realizado contato com diversos mercados compradores como a China, Europa e Oriente Médio, para apresentar de maneira adequada a carne mato-grossense, com objetivo de fortalecer e abrir novos mercados.

Ainda segundo Caio Penido, o Imac trabalha para garantir comercio justo e justiça climática para o Brasil.  “Estamos assumindo as rédeas da narrativa para que não fique mais nas mãos de países que se desenvolveram com a revolução industrial, emitindo GEE (gases do efeito estufa), desmatando, colonizando. Que trouxe para o mundo um modelo de desenvolvimento insustentável. Em Mato Grosso queremos reverter isso. Além de termos 62% do território destinado à conservação, temos o código florestal, temos a Embrapa trabalhando e inúmeros planos e projetos.  Se o mundo quiser ajudar o Brasil não é dando esmola, não precisamos, não somos pobres. No novo paradigma rico é quem tem biodiversidade, quem tem potencialmente uma pecuária de baixo carbono. Nós queremos um comércio justo. Justiça climática ao Brasil”, afirmou.

Mato Grosso está entre os principais exportadores de carne. Conforme Só Notícias já informou, as exportações mato-grossenses registraram novo recorde e alcançaram 65,88 mil toneladas em equivalente carcaça embarcadas (+6,48% ante a setembro). A China importou 5,20% a mais.

O programa Passaporte Verde criado pelo Imac, que é um protocolo que vai garantir a rastreabilidade socioambiental e a qualidade da carne de Mato Grosso, também foi apresentado durante o painel. Atualmente 80% da produção é rastreada e a meta é alcançar os 100% de verificação. “O Passaporte Verde, que vem para apoiar a secretaria do meio Ambiente (Sema) na regularização ambiental, com o Programa de Reinserção e Monitoramento do Imac e o Observatório da Carne de MT, com uma base cartográfica única para todos analisarem e acelerar o processo. Temos parcerias para mensurar o sequestro de carbono em Mato Grosso e trabalhando junto com o Ministério Público Federal e indústrias frigoríficas com programa que faz a rastreabilidade socioambiental”, finalizou, através da assessoria do Imac.

Só Notícias (foto: Lucas Rodrigues/assessoria)

Artigos relacionados

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias